<img height="1" width="1" style="display:none" src="https://www.facebook.com/tr?id=344581662787026&amp;ev=PageView&amp;noscript=1">
Blog da UniCesumar
INSCREVA-SE NO VESTIBULAR

•   Início Dicas de carreira



Como você imagina sua carreira em Medicina Veterinária? Além do jaleco branco, provavelmente sua expectativa inclui passar o dia cuidando de bichinhos, acertamos? Doguinhos abanando o rabo, gatinhos dignos dos melhores gifs da Internet, pets exóticos de encher os olhos ou até mesmo animais da fazenda que fazem qualquer um derreter com a fofura. 

A verdade é que a profissão de veterinário inclui sim tudo isso, e a satisfação em saber que você está ajudando os animais não tem preço. Mas construir uma carreira sólida na área exige muito mais do que simplesmente amar o que se faz (isso não significa que você deve parar de abraçar cachorro na rua — faça o que o coração mandar!). 

A Medicina Veterinária tem um campo amplo de atuação e uma boa demanda no mercado: o Brasil tem o segundo maior mercado pet do mundo, com cerca de 132 milhões de animais de estimação no país, entre cachorros, gatos, aves, peixes e outros mais exóticos. E cuidar de todos esses bichinhos dá trabalho! Por isso, é importante começar a pensar em algumas questões antes mesmo de entrar na faculdade. Afinal, é sua vida profissional que está em jogo, certo?

Para ajudar você nesse desafio, separamos alguns conselhos valiosos que podem fazer a diferença na sua jornada rumo ao sucesso. Não importa se o seu sonho é ter seu próprio consultório, trabalhar em uma fazenda ou ainda fazer parte de uma equipe de uma clínica ou centro de zoonoses: com as nossas dicas, você vai se sentir preparado para dar os primeiros passos em direção à satisfação profissional!

Está preparado? Então, siga com a gente nesta leitura!

O que é esperado do médico veterinário?

Se você já passou algum tempo pensando no que considerar na hora de escolher uma profissão, sabe que a satisfação pessoal é um dos requisitos básicos para se dar bem, certo? Sim, vamos começar pelo clichê máximo de qualquer profissão: amar o trabalho. É fácil se sentir realizado quando os bichinhos são fofos e você sente que está fazendo o seu melhor, mas vamos jogar a real: vai ter muito perrengue, sim! Dias longos, atividades desafiadoras, animais que não cooperam, tutores difíceis, diagnósticos complicados e uma boa chance de se ver em situações que causam nojo na maioria das pessoas. 

Quer entender melhor a rotina de trabalho de um veterinário e quais habilidades um bom profissional precisa desenvolver? Acompanhe!

Diagnosticar um paciente que não fala

Com certeza, você já pensou nisso ao se imaginar atendendo um animal, seja ele qual for. Ao contrário da maioria dos pacientes comuns da Medicina, os bichinhos não conseguem comunicar o que estão sentindo, onde dói ou qual é o problema.Já que não dá para depender de bola de cristal ou telepatia, o veterinário vai precisar de uma boa dose de paciência, experiência e conhecimento técnico para entender o que está acontecendo e saber o que fazer.

É claro que alguns casos são mais óbvios que outros: um machucado visível, por exemplo, não exige muita capacidade de dedução (temos um Xeroque Homes por aqui?). Mas é bom estar preparado para tudo, certo? E isso pode incluir também algumas mordidas e arranhões ocasionais: ossos do ofício!

Mas nem tudo são dificuldades na hora de atender um paciente pela primeira vez. Em muitos casos, o dono ou tutor do animal pode oferecer informações valiosas que ajudam no trabalho do veterinário. O que nos leva à nossa próxima dica.

Prestar um atendimento personalizado

Na maioria dos casos, o primeiro contato em um atendimento veterinário é sempre entre o profissional e o dono ou tutor do animal, certo? Antes mesmo de examinar o bichinho ou preencher a ficha, é preciso conversar com o responsável para entender o que está acontecendo.

Muitas vezes, a consulta é só um acontecimento de rotina para acompanhar o desenvolvimento do pet e garantir que está tudo bem com a sua saúde. Mas, em outras ocasiões muito mais comuns, a visita é motivada por algum problema que tira o sono do tutor — afinal, quem aguenta ver seu companheiro de todas as horas sofrendo?

Por isso, mesmo que seu primeiro instinto seja ajudar o animal, procure se lembrar de que a pessoa que o levou até você merece sua atenção. Pergunte sobre o estado de saúde do pet, explique o diagnóstico de forma clara e tire todas as dúvidas para prestar um bom atendimento.

Não se esqueça de adequar suas explicações de acordo com cada um de seus clientes. Você não vai falar da mesma forma com uma senhorinha e um adolescente, ao passo em que não trataria do mesmo jeito um cachorro e uma tartaruga, não é mesmo? Acolha cada um de seus pacientes (e seus donos) da melhor maneira que conseguir.

Priorizar o bem-estar animal, sempre

Parece óbvio, mas não custa lembrar: a missão do médico veterinário é colocar o bem-estar do paciente acima de tudo. Às vezes, isso significa agir rapidamente para evitar ou aliviar o sofrimento do bichinho, como em casos de acidentes e emergências. Outras vezes, a atuação do profissional deve ir mais longe, oferecendo um tratamento a longo prazo, por exemplo. 

Assim como nos pacientes humanos, o atendimento deve levar em consideração o histórico, o diagnóstico e outros fatores que podem influenciar na qualidade de vida. Ou seja, não importa se o paciente é um pequeno hamster, um papagaio ou um labrador gigante, a premissa do trabalho é a mesma. Cabe ao médico veterinário descobrir como aplicar esse princípio em cada atendimento.

Oferecer o tratamento adequado em qualquer situação

Todos os aspectos do atendimento veterinário são importantes, mas de nada adianta cultivar um bom relacionamento com o dono do animal e ter a maior paciência com os bichinhos se você não tiver o conhecimento técnico necessário para fazer um diagnóstico certeiro, não é mesmo? Observar sintomas, coletar dados, avaliar o histórico de cada paciente e oferecer um diagnóstico preciso e um plano de tratamento adequado é fundamental para ter sucesso profissional

Para isso, não basta ter uma boa formação acadêmica, é preciso se manter atualizado fazendo cursos, participando de palestras e eventos da área e aproveitando todas as chances que aparecerem para ganhar experiência. Sem parar de estudar nunca, combinado?

Como garantir o sucesso profissional na área?

Agora que você já conhece as exigências da profissão, está na hora de descobrir como construir uma carreira em Medicina Veterinária, unindo a paixão por animais a um trabalho que traga satisfação pessoal e retorno financeiro (o sonho de qualquer recém-formado, certo?). 

Acompanhe as nossas dicas para se preparar para um futuro brilhante!

Faça sua graduação em uma universidade renomada

É impossível exercer a profissão de médico veterinário sem um diploma universitário válido, certo? Mas escolher a faculdade ideal é um dos maiores desafios do jovem prestes a embarcar no Ensino Superior. Antes de fazer a matrícula e começar a frequentar as aulas, é preciso ter a certeza de que a escolha foi certeira, já que a qualidade do ensino pode determinar os rumos da sua carreira, não é mesmo?

Em 5 anos de curso, os alunos devem aprender uma infinidade de assuntos relacionados à saúde animal, além de testar seus conhecimentos teóricos com atividades práticas que preparam para a profissão. Ou seja, tem que se jogar nos livros, mas também colocar a mão na massa e se preparar para o dia a dia.

Para escolher uma boa instituição de ensino, você já conhece os macetes: conferir as notas do curso no site do MEC, conversar com alunos e ex-alunos, dar uma olhada na grade curricular e no corpo docente, visitar o lugar (tanto para sentir a vibe quanto para avaliar o espaço físico e a infraestrutura disponível) e pesquisar bastante.  

O cronograma merece uma atenção especial na hora de avaliar a faculdade: as disciplinas devem estar bem distribuídas ao longo do curso e devem abordar tanto os conteúdos básicos (como anatomia e fisiologia veterinária, clínica cirúrgica, doenças contagiosas e medicina preventiva) como conhecimentos mais avançados que o profissional deve dominar.

Nada de preguiça com a carga horária, combinado? Para se tornar um veterinário qualificado, você vai ter que encarar uma boa quantidade de aulas e reservar várias horas por dia para se dedicar aos estudos. 

A metodologia de ensino é outro aspecto que precisa ser avaliado com cuidado. Cada pessoa aprende de um jeito, concorda? Alguns se dão bem lendo, outros precisam de vídeos e recursos audiovisuais e ainda há quem aprende melhor quando pratica o que estudou. Por isso, uma boa faculdade deve mesclar os vários tipos de estímulos e ter uma metodologia completa e eficiente.

Além disso, com tantos recursos disponíveis hoje em dia, é esperado que o curso conte com diversas ferramentas para facilitar o aprendizado. Ninguém merece ficar confinado ao espaço de uma sala de aula com aulas explicativas o dia inteiro, não é mesmo? Laboratórios, bibliotecas, salas multimídia e uma boa quantidade de atividades práticas são aspectos que contam muitos pontos na hora de avaliar a faculdade. 

Uma boa escolha coloca você no caminho certo para o sucesso profissional!

Aposte em estágios ao longo do curso

Sabemos que qualquer curso exige muito do universitário. Aulas longas, muitos trabalhos, pesquisas, além das inúmeras horas dedicadas aos estudos para conseguir um bom resultado nas provas e aprender tudo que é necessário para exercer uma profissão. Essa parte teórica é a base que o médico veterinário precisa para cuidar bem de seus pacientes.

Mas nem só de aulas vive um estudante universitário (e não estamos falando das festas e saídas com os amigos). Uma das melhores maneiras de entender a rotina da profissão e, de quebra, já colocar um pezinho no mercado de trabalho é descolar um estágio.

Sim, queremos que você coloque mais uma atividade na sua agenda já lotada — e vamos explicar o porquê. Desde o começo do curso, você vai estar exposto a uma infinidade de informações, conceitos, teorias e técnicas. E não pense que assimilar tudo isso é fácil!

Mas em atividades práticas, observando ao vivo os temas que estudou durante as aulas, o aprendizado acontece naturalmente e de maneira descomplicada. Uma coisa é olhar diagramas de anatomia de um cachorro, por exemplo. É bem diferente de quando você está cara a cara com um doguinho fofo de carne e osso, não é mesmo? É bem mais fácil memorizar tudo que precisa.

Além disso, estar aberto a novas experiências faz parte da faculdade. Por isso, não tenha medo de apostar em vários estágios curtos durante o curso. A ideia não é descolar um emprego enquanto estuda: é experimentar o máximo possível para descobrir o que combina mais com você. 

Você pode, por exemplo, começar em um estágio no laboratório, depois passar algum tempo em uma clínica particular, em uma ONG ou hospital veterinário e, por fim, se dedicar a algum projeto de iniciação científica. Com todas essas vivências na sua bagagem, fica mais fácil decidir os rumos da sua vida profissional e ter mais segurança nas suas escolhas.

Sem contar que os estágios colocam você em contato com profissionais das mais variadas áreas de atuação. Assim, você começa seu networking antes mesmo de conquistar o diploma, e conhece pessoas que podem render oportunidades de trabalho e parcerias importantes no futuro.

Participe de eventos e palestras

O mundo hoje muda em um piscar de olhos, não é mesmo? Novas tecnologias surgem a todo momento, e as descobertas científicas acontecem dia após dia. Na carreira em Medicina Veterinária isso não é diferente.

Quer um exemplo simples? Você já ouviu falar dos labradoodles? A raça surgiu há pouco tempo, fruto do cruzamento genético entre o labrador e o mini poodle (e já existem variações que colocam até o cocker spaniel na mistura). Descobrir as particularidades desse tipo de cachorro e promover a sua saúde são algumas das tarefas do médico veterinário.

Outro exemplo básico são as doenças que praticamente de uma hora para outra passam a ser transmitidas de animais para humanos ou vice-versa. Uma responsabilidade e tanto, não acha? Além disso, novas técnicas cirúrgicas, tratamentos mais modernos, medicamentos inovadores e descobertas da área fazem parte da rotina do veterinário.

Como estar em dia com tudo isso? Não existe resposta simples, já que isso depende da disponibilidade de cada um. Afinal, não é fácil organizar a agenda para incluir a vida acadêmica, profissional e pessoal. Mas participar de eventos, palestras, workshops e reuniões da área pode ser o segredo para acompanhar as demandas e tendências do mercado.

Manter-se atualizado é uma exigência da profissão. Então, para começar, que tal ficar de olho nas publicações especializadas? As revistas e periódicos veterinários publicam de maneira criteriosa os novos estudos e pesquisas com resultados promissores — e são indispensáveis para quem precisa se informar sobre o tema. 

Já os eventos do ramo apresentam na prática as novidades a nível nacional e mundial. Nesse ponto, cabe a cada um escolher as atividades mais interessantes de acordo com seus interesses e sua atuação.

Feiras agropecuárias, congressos acadêmicos, simpósios, exposições de animais exóticos e até encontros de criadores de aves são oportunidades valiosas para aprender mais, expandir sua visão da profissão e desenvolver habilidades importantes para seu futuro profissional.

Identifique a área de atuação para ser seu foco

Talvez uma das decisões mais difíceis para o futuro médico veterinário seja escolher uma área de atuação, dentre todas as possibilidades da profissão. E você, já sabe qual caminho quer tomar? Abrir uma clínica particular e cuidar dos pets que são praticamente parte da família? Trabalhar no controle de zoonoses, promovendo o bem-estar dos animais e das pessoas? Construir uma carreira em pesquisa científica? Ensinar?

Todas as opções são válidas — e não há uma área melhor do que a outra: existe a que mais combina com a sua personalidade, suas habilidades e seus sonhos. Por isso, se você ainda não tem certeza sobre o que pretende fazer depois da faculdade ou se quer ter certeza que tomou a decisão certa, confira algumas dicas que podem ajudar:

  • pense sobre seus principais interesses e aptidões;
  • descubra com quais matérias você mais se identifica;
  • avalie as oportunidades do mercado;
  • estude a concorrência;
  • esteja aberto para aprender sempre mais.

Um ponto positivo da profissão é que existem opções para todos os gostos e para todos os perfis de profissional. O veterinário pode, por exemplo:

  • atuar na área clínica, em um consultório, cuidando de animais de estimação e realizando pequenas cirurgias (como castrações);
  • trabalhar em indústrias, fiscalizando ou supervisionando a fabricação de produtos de origem animal ou voltados para os bichinhos, de rações a shampoos e medicamentos;
  • estudar animais silvestres em seu habitat natural, identificando doenças que ameaçam as espécies, reabilitando animais machucados e contribuindo para a preservação da fauna;
  • desenvolver técnicas para criação e nutrição de rebanhos, incluindo melhorias genéticas e estratégias de controle da população animal;
  • inspecionar supermercados, frigoríficos e indústrias que usam insumos de origem animal em sua produção;
  • participar de perícias veterinárias em concursos e competições animais, garantindo a saúde dos participantes;
  • cuidar e tratar de animais que participam de competições esportivas, prevenindo lesões e evitando esforço excessivo.

Qual dessas áreas parece mais interessante para você?

Faça cursos e atividade extracurriculares

Uma boa faculdade é a base de todo o conhecimento necessário para exercer a profissão de médico veterinário, mas isso não significa que você não deva buscar outras fontes para complementar sua formação. Cursos extras e atividades que vão além das disciplinas obrigatórias devem fazer parte da sua agenda desde o início da graduação: além de aprender ainda mais sobre os assuntos que mais despertam seu interesse, você acompanha melhor as aulas e consegue resultados de sucesso.

A melhor forma de descobrir oportunidades para aprender fora da sala de aula é justamente por meio dos professores. Acredite, eles estão sempre informados sobre projetos de extensão e iniciação científica. Além disso, podem indicar atividades relacionadas aos assuntos das aulas e você ganha alguns pontinhos com o professor por demonstrar interesse — nada mal, hein?

Nada de diminuir o ritmo nas férias, combinado? O recesso nos estudos libera mais tempo para se dedicar aos seus projetos extracurriculares e preencher seu currículo com experiências relevantes para sua profissão. Muitos desses cursos acontecem principalmente nas férias, para que os estudantes aproveitem o tempo livre em coisas mais proveitosas que somente se jogar no sofá (é para isso que existe o final de semana, certo?).

Se quiser unir a vontade de aprender com uma boa ação, nada melhor do que ser voluntário em ONGs de cuidados animais e usar seu conhecimento a favor dos animais abandonados. Em alguns lugares, o trabalho é só abraçar e brincar com os cachorrinhos, você acredita? 

Esse tipo de trabalho voluntário só traz vantagens para quem doa um pouco do seu tempo em prol de uma causa. Você adquire experiência prática, desenvolve suas habilidades em situações reais, faz contatos com pessoas da área e ainda ganha satisfação pessoal por ajudar a quem precisa. Que tal descobrir uma organização de cuidado animal agora mesmo, na sua cidade, e se oferecer como voluntário?

E agora, se sente mais preparado para dar os primeiros passos em direção à sua vida profissional? Com tantas possibilidades à sua frente, é normal se sentir apreensivo ou ter dúvidas em relação ao caminho a seguir — e nesses casos, um mapeamento de carreira pode trazer mais clareza na hora de tomar decisões.

Mas ter sucesso na carreira em Medicina Veterinária não é tão difícil assim. O mercado cresce a cada dia, e com uma boa formação acadêmica e disposição para continuar aprendendo, você já está no caminho certo! Além disso, se você escolheu essa profissão, podemos concluir que o principal, você já tem: o amor pelos animais. 

Então, tudo é uma questão de buscar o conhecimento necessário e colocar em prática tudo que aprendeu cuidando de pets. Estamos prontos para receber você aqui na Uni e auxiliar em sua jornada acadêmica! Quer saber mais sobre o vestibular para Veterinária ou tirar alguma dúvida sobre o curso? Nossa equipe está pronta para atender você! Entre em contato conosco!

COMPARTILHE:
POSTS RELACIONADOS
    Inscrições Vestibular UniCesumar
    Inscrições Vestibular Medicina UniCesumar

    Teste de Orientação Profissional - Foca na Carreira

    Guia-do-profissional-de-agronomia

    [E-BOOK] Como escolher uma profissão? DOWNLOAD GRÁTIS

    Nova call to action