<img height="1" width="1" style="display:none" src="https://www.facebook.com/tr?id=344581662787026&amp;ev=PageView&amp;noscript=1">
logo-topo-blog-1
INSCREVA-SE NO VESTIBULAR

•   Início Dicas de carreira



A prática avaliativa faz parte da história da Educação. Não é à toa que existem tantos indicadores educacionais, como o Ideb, o Enem e o Enade. O motivo disso é que a monitoração contínua do desempenho favorece a busca por cada vez mais qualidade, além de gerar subsídios para criação e revisão de políticas públicas no setor.

O único jeito de melhorar é identificar o que está ou não dando certo, não acha? Pois então, no Ensino Superior, um dos instrumentos para essa função é a Comissão Própria de Avaliação (CPA), proposta pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep).

Para entender do que se trata esse conceito, seus benefícios e quem pode participar, venha conosco nesta leitura!

O que é Comissão Própria de Avaliação?

A Comissão Própria de Avaliação é um órgão consultivo organizado pela própria Instituição de Ensino Superior, com orientações do Inep. Ela é parte de um dos três processos avaliativos atribuídos ao Sistema Nacional de Avaliação da Educação (Sinaes), que são:

  • Avaliação dos Cursos de Graduação (ACG);
  • Avaliação do Desempenho dos Estudantes (Enade);
  • Avaliação das Instituições de Educação Superior (Avalies).

É nesse último processo que entra a CPA, uma avaliação interna que ocorre além das auditorias externas realizadas pelo MEC. As avaliações da CPA ajudam a gestão da faculdade a pensar em ajustes acadêmicos, estruturais, pedagógicos e administrativos para que o desempenho seja cada vez melhor.

Sabe o que isso significa? Que a sua faculdade está sempre de olho em tudo que você precisa, com o objetivo de melhorar o lado de seus estudantes. Apostamos que você não sabia disso!

O que a lei diz sobre a CPA?

A principal base legal da CPA é a Lei nº 10.861/2004, que institui o Sinaes. É esse sistema que orienta a formação e execução dos processos da CPA, por meio do Roteiro de Autoavaliação Institucional. Nesse documento, estão descritos:

  • objetivos da autoavaliação;
  • metodologia de coleta de dados;
  • eixos avaliativos;
  • análise do quanto foi alcançado em relação ao Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI), estabelecido pelo MEC;
  • periodicidade de entrega dos relatórios

Além disso, a CPA também vai ao encontro de preocupações da Lei nº 9.394/1996, conhecida como Lei das Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB), um dos maiores referenciais da Educação do país.

Qual é a importância da CPA?

A CPA é um excelente mecanismo de apoio para a gestão da instituição de ensino. Por meio dos resultados consolidados após o período de avaliações, é possível identificar os pontos de fragilidade e propor melhorias e correções que contribuam para a evolução contínua da faculdade em termos de qualidade.

Assim, a gestão também consegue guiar melhor as decisões na hora de fazer novos investimentos ou implementar políticas educacionais. Sem contar que, nesse levantamento de dados, a comunidade acadêmica se une em torno do comprometimento com a qualidade de ensino, o que gera um engajamento em todas as esferas.

Por fim, todas as ideias de melhoria trazem um impacto direto na qualidade da vida universitária do aluno. Mais do que a conquista de boas notas junto ao Inep e colocações em rankings nacionais, a CPA é direcionada para a qualidade na formação dos estudantes. Sim, você é protagonista aqui!

Como a CPA atua?

A gente sabe: são siglas e mais siglas que parecem coisa de outro mundo. Mas a verdade é que a atuação da CPA é muito simples — o que não significa que não seja trabalhosa. Olhe só!

Composição

Para garantir que todo mundo tenha voz igualmente, a CPA é composta por membros representantes de todos os setores da comunidade acadêmica. São eles:

  • coordenador;
  • representantes do corpo docente (professores);
  • representantes do corpo técnico-administrativo;
  • representantes do corpo discente (estudantes);
  • membros da comunidade externa, representando a sociedade civil.

Funcionamento

De acordo com as diretrizes legais, a CPA funciona a partir de 4 etapas interdependentes:

  1. a preparação do projeto de avaliação própria, com a definição dos membros e dos critérios de levantamento de dados;
  2. o desenvolvimento das ações de avaliação, incluindo a aplicação dos questionários, a tabulação e a análise dos resultados, que geram relatórios parciais;
  3. a consolidação da avaliação, por meio da elaboração de um relatório final enviado ao Inep e à Comissão Nacional de Avaliação da Educação Superior (CONAES), além da comunicação das conclusões para a comunidade acadêmica;
  4. a execução de um plano de ação de melhorias e correções, baseado nos pontos de fragilidade identificados durante a avaliação.

A avaliação da CPA é realizada por meio de questionários que, depois, são armazenados no banco de dados da faculdade. A pesquisa parte da atribuição de uma nota de 1 a 10 para cada um dos critérios analisados. Na etapa de tabulação, são feitas as médias ponderadas das notas conforme cada parâmetro.

Os resultados correspondem aos seguintes conceitos:

  • média de 0 a 5,9: muito fraco;
  • média de 6 a 6,9: regular;
  • média de 7 a 8,9: bom;
  • média de 9 a 10: muito bom.

Para os aspectos que apresentam índices abaixo de 7 (regulares ou muito fracos), são pensados planos de ação de melhorias na etapa de consolidação da avaliação. Já para os segmentos que conseguiram conceitos acima desse valor, são atribuídas recomendações de incentivo para manutenção desse resultado ou alcance da nota máxima.

Eixos de avaliação

Agora que você já entendeu melhor como a CPA atua, vamos conhecer alguns dos parâmetros analisados? O roteiro do Sinaes sinaliza 5 eixos de avaliação:

  1. Planejamento e Avaliação Institucional: incluindo aspectos como a própria gestão da CPA, as iniciativas da faculdade para sensibilizar a comunidade à participar da avaliação e a divulgação pública dos resultados;
  2. Desenvolvimento Institucional: incluindo a concretização das práticas pedagógicas, o grau de articulação das atividades de ensino, em relação ao Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI), as iniciativas de pesquisa e extensão — fundamentais para quem quer seguir carreira acadêmica;
  3. Políticas Acadêmicas: incluindo a satisfação com o corpo docente, o currículo dos cursos, o registro de atividades e frequência, a assistência pedagógica aos estudantes, a qualidade do processo seletivo, a organização administrativa etc.;
  4. Políticas de Gestão: incluindo o funcionamento da secretaria, a atuação dos técnicos, as políticas de contratação de portadores de necessidades especiais, o número de estudantes por professor etc.;
  5. Infraestrutura Física: incluindo a qualidade das salas de aula, as políticas de conservação patrimonial e limpeza, a quantidade de laboratórios e equipamentos para uso dos estudantes, a organização das bibliotecas, entre outros.

Ainda, esses eixos englobam 10 dimensões de avaliação:

  1. Missão e Plano de Desenvolvimento Institucional;
  2. Políticas para o Ensino, a Pesquisa e a Extensão;
  3. Responsabilidade Social da Instituição;
  4. Comunicação com a Sociedade;
  5. Políticas de Pessoal;
  6. Organização e Gestão da Instituição;
  7. Infraestrutura Física;
  8. Planejamento e Avaliação;
  9. Política de Atendimento aos Discentes;
  10. Sustentabilidade Financeira.

Quanta coisa, não é mesmo? É que, para avaliar de verdade como anda a faculdade, desde o funcionamento administrativo até a qualidade dos currículos e a didática dos professores, só mesmo com um monte de parâmetros!

Por que participar da CPA?

Como deu para ver, a CPA é um instrumento de extrema importância para o entendimento dos pontos de melhoria da faculdade. Mesmo que existam outras avaliações realizadas pelos órgãos reguladores, o grande trunfo da CPA é a participação da comunidade acadêmica na atribuição de notas para todos os conceitos avaliados.

Afinal, ninguém melhor para julgar a instituição de ensino do que quem está dentro dela todos os dias. E, justamente por isso, é essencial que todos se mobilizem durante o período de aplicação de questionários pela Comissão Própria de Avaliação: quanto mais dados coletados, mais confiáveis são as análises.

Legal, não é? Então, compartilhe este conteúdo nas suas redes sociais! Assim, seus colegas também ficarão por dentro desse importante instrumento de qualidade!

COMPARTILHE:
POSTS RELACIONADOS

    Nova call to action

    Um cabeçalho claro e arrojado

    Nova call to action

    Um cabeçalho claro e arrojado

    Teste de Orientação Profissional - Foca na Carreira

    Guia-do-profissional-de-agronomia

    [E-BOOK] Como escolher uma profissão? DOWNLOAD GRÁTIS

    Nova call to action