<img height="1" width="1" style="display:none" src="https://www.facebook.com/tr?id=344581662787026&amp;ev=PageView&amp;noscript=1">
logo-topo-blog-1
INSCREVA-SE NO VESTIBULAR

•   Início Biológicas



Um bom curso de Agronomia deve preparar os futuros agrônomos (ou engenheiros agrônomos) para realizar atividades de desenvolvimento regional, como a produção de alimentos, com responsabilidade ecológica, social e ambiental. Ao combinar teoria e prática, você terá conhecimento de técnicas e ferramentas modernas de gestão e será capaz de aplicar recursos tecnológicos na profissão.

Para colocar todo o conhecimento em prática, é importante sair da sala de aula e ir ao campo. Seja em laboratórios ou em fazendas, é importante gostar de colocar a mão na massa. Com a orientação e condução de professores experientes, você aprenderá técnicas modernas e inovadoras.

Se gostar da área experimental, você poderá desenvolver diversas atividades de pesquisa, ensino e extensão. Para isso, é possível fazer parcerias com grandes empresas do setor rural brasileiro. Opções para se desenvolver não faltarão, não é mesmo?

Pensando nisso, preparamos um conteúdo completo sobre o curso de Agronomia. Conheça o que faz um agrônomo, quais são as principais áreas de atuação, qual é o perfil do profissional, como é a grade curricular, entre outras informações. Boa leitura!

Como identificar se o curso de Agronomia é ideal para mim?

Primeiramente, é importante saber que não existe uma definição do engenheiro agrônomo perfeito. Ainda assim, existem características que ajudam a alcançar mais sucesso profissional na área — e é importante conhecê-las.

Em outras palavras, isso vai além de buscar um diploma universitário em algo que você realmente goste. Ainda tem dúvidas se o seu perfil pessoal combina com a profissão? Então confira os atributos que vamos apresentar a seguir!

Paixão pessoal

Antes de mais nada, você precisa gostar do campo. É por isso que comumente você encontrará uma boa parcela de alunos que vêm de famílias que vivem da agricultura e pecuária ou são proprietárias de terras. Não é estereótipo, é paixão!

Como eles cresceram com essa realidade de forma muito próxima, muitas vezes colocando a mão na massa, essa paixão vem do próprio estilo de vida. Ao contrário, algumas pessoas têm um ideal do que é viver no campo, embora nunca tenham vivido de perto.

É importante lembrar também que, nesse campo de atuação, você dificilmente vai escapar de lidar com as plantas, com a terra e com os animais. Mesmo que prefira trabalhar na parte de gestão e planejamento de agronegócios e passe a maior parte do tempo dentro de um escritório.

Por isso, se você tem interesse em atuar no ambiente rural, o curso de Agronomia pode atender às suas expectativas. Afinal, o contato com o campo ocorre desde a graduação e se estende por toda a vida profissional.

Atenção ao todo e aos detalhes

Ao contrário de áreas em que o profissional pode focar em apenas um aspecto, na Agronomia você deve estar sempre atento ao todo. O agrônomo responsável por uma lavoura, por exemplo, não pode pensar somente na irrigação: ele deve ter atenção ao clima, aos nutrientes do solo, às ervas daninhas, aos insetos, entre outros elementos que afetam as plantações.

Por isso, você vai levar vantagem em relação aos concorrentes se conseguir prestar atenção a todas as etapas do trabalho. Da mesma forma, é importante acompanhar de perto os detalhes que podem atrapalhar ou beneficiar esses processos. Em geral, pequenas mudanças geram um efeito positivo.

Ética e consciência

Tanto no curso de Agronomia quanto no mercado de trabalho, todas as escolhas precisam ser tomadas com consciência e ética. Um exemplo é com relação ao uso de defensivos agrícolas. Sabemos que alguns funcionam muito bem, mas envenenam a água e o solo, chegando até o consumidor final.

Assim, o uso desses pesticidas pode trazer consequências muito graves para todo o ecossistema e a população. Por isso, os engenheiros agrônomos se dedicam a encontrar outras opções, como o controle biológico de pragas. O que nos leva ao próximo tópico.

Consciência ambiental

Considerando as tendências atuais, é muito importante que o profissional formado em Agronomia tenha um forte senso de responsabilidade ambiental e social. Tudo que o agrônomo faz impacta diretamente no meio ambiente. Por isso, você deve estar antenado e interessado em questões como preservação e sustentabilidade.

A forma de consumir está mudando — e os millennials são os grandes responsáveis por isso. Hoje, as pessoas podem, inclusive, deixar de comprar um produto se perceberem que ele foi produzido sem respeitar o meio ambiente.

Por isso, a consciência ambiental não se relaciona apenas com os seus valores pessoais. Os profissionais devem estar cientes de que práticas irresponsáveis podem prejudicar toda a indústria em que ele trabalha.

Foco na melhoria

Você está sempre buscando formas de conseguir resultados superiores, de melhorar as coisas ou de fazer com que tudo funcione melhor? Pois saiba que os agrônomos precisam fazer isso diariamente. Afinal, eles querem aumentar o tamanho dos vegetais e a produtividade, elevar a resistência às pragas e fazer com que os alimentos sejam mais bonitos e saborosos.

Não existe um ponto em que os resultados sejam o suficiente — a busca pela melhoria deve ser constante. Então, se você é do tipo que não se satisfaz com conclusões razoáveis, vai se sentir muito à vontade no mundo da Agronomia.

Paciência

Por mais que os avanços tecnológicos ajudem a acelerar muitas coisas, a natureza tem seu próprio tempo — que precisa ser respeitado. Quem não tem paciência pode se frustrar na área, pois os resultados dos trabalhos não são vistos do dia para a noite.

Em muitos casos, é necessário aguardar o ritmo natural da vida. Existem sim formas de acelerar o processo, mas isso pode ser um prejuízo bem maior lá na frente. Por isso, nada de pressa, tudo bem?

O que se estuda no curso de Agronomia?

Você sabia que o curso de Agronomia é muito interdisciplinar? Essa é, inclusive, uma das principais características da área. Então, você vai estudar conteúdos que envolvem conhecimentos de física, química, matemática, biologia, geografia e até desenho técnico e informática.

Nas faculdades de ponta, o estudante vai ter contato nas áreas básicas com laboratórios de Botânica, Química Orgânica e Zoologia. Já nas áreas específicas, elas podem contar com outros tipos, como:

  • Análise de Solos;
  • Fitopatologia;
  • Tecnologia de Sementes;
  • Nutrição Mineral de Plantas;
  • Engenharia Ambiental;
  • Mecanização Agrícola.

Nessas faculdades, é comum que o estudante encontre parcerias com fazendas-escolas e campos demonstrativos durante o curso.

Objetivo do curso

O curso de Agronomia capacita o futuro profissional para trabalhar como consultor técnico autônomo ou atuar junto a organizações e cooperativas agrícolas, empresas de fertilizantes e defensivos agrícolas ou na produção de tecnologia rural e sementes.

Grade curricular

No início, as matérias são introdutórias e abordam temas amplos, de forma que você conheça os conceitos básicos e se prepare para aprofundar o conhecimento. Depois, começam os assuntos cada vez mais específicos.

Assim, você vai estudar no primeiro ano matérias como:

  • Cálculo Integral e Diferencial;
  • Biologia Geral e Vegetal;
  • Agroecologia e Gestão Ambiental;
  • Zoologia e Entomologia Agrícola;
  • Desenho Técnico e Construções Rurais;
  • Introdução a Agronomia;
  • Química Aplicada;
  • Física aplicada.

No segundo ano:

  • Metodologia da Pesquisa Científica;
  • Fertilidade do Solo;
  • Mecanização Agrícola;
  • Bioquímica;
  • Morfologia e Sistemática Vegetal;
  • Química Agrícola e Analítica;
  • Microbiologia Agrícola;
  • Hidráulica e Irrigação;
  • Anatomia e Fisiologia Animal.

No terceiro ano de curso, entre outras:

  • Fisiologia Vegetal e Nutrição de Plantas;
  • Zootecnia;
  • Experimentação Agrícola e Bioestatística;
  • Geotecnologias Aplicadas;
  • Agrostologia e Nutrição Animal;
  • Genética e melhoramento;
  • Economia e Comercialização Agrícola;
  • Gestão do Projeto de Vida.

No quarto ano:

  • Manejo e Conservação do Solo;
  • Horticultura;
  • Tecnologia de Produtos Agropecuários;
  • Biotecnologia e Micropropagação Vegetal;
  • Tecnologia de Produção de Sementes e Armazenamento;
  • Avaliações, Perícias e Direito Agrário.

Por fim:

  • Fruticultura;
  • Silvicultura;
  • Paisagismo, Floricultura, Parques e Jardins;
  • Empreendedorismo;
  • Gestão Rural, Agroindústria e Projetos;
  • Sociologia, Extensão Rural e Deontologia.

Duração do curso

O curso de Agronomia tem duração de 5 anos e, ao finalizá-lo, você recebe o título de Bacharel. Além das matérias teóricas, a parte prática envolve aprender a usar equipamentos característicos da agropecuária.

Porém, é preciso lembrar que tanto a carga horária quanto a grade curricular podem variar de acordo com a instituição de ensino. Antes de escolher a faculdade ideal para os seus estudos, é necessário avaliar esses aspectos.

Por esse motivo, cabe ao estudante entrar no site da faculdade e pesquisar a sua proposta e infraestrutura para determinar se ela está alinhada às suas expectativas. Se você estiver em dúvida, converse com a secretaria da instituição ou peça para ex-alunos compartilharem as suas experiências.

Como funciona

Fora dos laboratórios e da sala de aula, você fará estágios nos últimos anos de graduação. Essa etapa é obrigatória e faz parte da carga horária do curso. A própria universidade diminui a quantidade de aulas a partir do terceiro ano, para que os estudantes possam conciliar os estudos com o trabalho.

Esse momento é uma excelente oportunidade para conseguir experiência profissional, pois é útil pelo aprendizado e também para melhorar o seu currículo, deixando você mais preparado para o mercado de trabalho.

Na verdade, se você mostrar dedicação e tiver um bom desempenho, o estágio pode se tornar o seu primeiro emprego. No entanto, é importante lembrar que nem sempre os estágios obrigatórios são remunerados, tudo bem?

Outro ponto que merece destaque é que o curso de Agronomia, assim como vários outros, tem na grade curricular o desenvolvimento de um Trabalho de Conclusão de Curso (TCC). Essa atividade tem o objetivo de estudar uma questão relevante da área e cada aluno pode definir qual tema interessa mais.

E não se preocupe, pois você não estará sozinho nessa. É preciso escolher um professor que atue como orientador e ajude a pensar sobre o assunto, encontrar bibliografias relevantes e escrever o texto. Para quem quer seguir a carreira acadêmica, o TCC atua como uma ponte que leva o estudante aos próximos níveis de formação: mestrado e doutorado.

Pontos a serem analisados

Além de fatores como a grade curricular e a carga horária, que já abordamos, outro ponto que você deve considerar ao escolher a melhor faculdade é a nota do Ministério da Educação (MEC). Como todas as instituições do país são avaliadas com base nos mesmos parâmetros, a nota é padronizada. Aquelas que conseguem nota acima de quatro têm boa qualidade de ensino.

Outro aspecto importante é o turno da graduação. Algumas faculdades oferecem o curso de Agronomia apenas no período da manhã ou da noite, enquanto em outras, as aulas acontecem de forma integral — ou seja, de manhã e à tarde.

Os cursos integrais exigem muita organização. Afinal, será necessário passar o dia todo nas aulas. A opção diurna, por exemplo, permite que você chegue em casa com mais disposição para fazer os trabalhos, leituras e se preparar para as provas. E isso não significa que a grade não é completa ou que a qualidade do curso é inferior.

De qualquer forma, para aproveitar melhor o tempo, o ideal é saber se programar. Organize a sua rotina de estudos desde o primeiro período e não deixe as matérias se acumularem no final do semestre. Isso cria um bom hábito e evita que você reprove — o que pode prejudicar todo o curso, pois algumas disciplinas básicas são pré-requisito das mais avançadas.

O que faz um agrônomo?

Entender o que um engenheiro agrônomo realmente faz é fundamental para decidir se vale a pena fazer o curso. Primeiramente, esse profissional é o responsável pela elaboração e implementação de projetos em empresas do setor agropecuário.

Na sua rotina, ele busca soluções para a irrigação e adubação das plantações, o combate de pragas que atacam a lavoura, garantir a qualidade dos alimentos produzidos e a preservação e recuperação do solo. Isso não significa apenas cultivar bons vegetais, mas também gerar maior quantidade, assegurando produtos para toda a população.

Questões como a redução da produção de dejetos, a segurança alimentar (que assegura o acesso a alimentos que não são prejudiciais à saúde) e a sustentabilidade (que garante práticas que não colocam as condições socioambientais do futuro em risco) são outras preocupações de um agrônomo.

Se não quiser ou não gostar de trabalhar no campo, você pode exercer suas funções em um escritório e se envolver com atividades de planejamento, implementação de melhorias e monitoramento de resultados. Quem se sente à vontade em posições de autonomia e alta responsabilidade pode empreender ou se tornar líder de uma equipe.

Como vimos, seja qual for o caminho que você deseja seguir, será necessário lidar com muitos números, fórmulas, cálculos e estatísticas. Mais que gostar de viver ao ar livre, ter afinidade com plantas e animais e desejar colocar a mão na terra, é preciso ter conhecimento teórico — adquirido durante a graduação.

Áreas de atuação

Você finalizou o curso de Agronomia e chegou ao mercado de trabalho. E agora? Quais são as suas opções? Para ajudar a resolver essas dúvidas, destacamos três caminhos principais para você seguir. Vamos conhecer cada alternativa?

Engenheiro Agrônomo

Uma boa opção é atuar em cargos mais técnicos. Nesse caso, o profissional lida diretamente com criações de animais e plantações, realizando métodos que garantam os melhores resultados na área.

Se você seguir esse trajeto, encontrará uma vida profissional extremamente dinâmica. Cada dia traz um novo desafio, por isso, não existe forma de definir a rotina característica de um engenheiro agrônomo em campo. Afinal, o trabalho com a natureza garante imprevisibilidades.

Zootecnista

Há também a Zootecnia, uma área bastante promissora. Nesse caso, as atividades envolvem desenvolver e aplicar as melhores práticas na alimentação, tratamento e vacinação dos animais voltados para fins de consumo. Da mesma forma que acontece com as lavouras, é preciso desenvolver gerações de animais melhores e mais resistentes, assim como estimular a reprodução.

A carreira nessa área por vezes pode ser confundida com a Veterinária, mas há uma diferença pontual entre elas: o médico veterinário cuida da saúde dos animais, realizando cirurgias quando necessário; enquanto isso, o zootecnista lida com reprodução, melhoramento genético e rendimento animal.

Gestor de agronegócios

Quando o assunto é mercado de trabalho, ficar parado não é uma possibilidade. Por isso, o agrônomo pode complementar sua formação com cursos de gestão (com um MBA ou uma especialização, por exemplo). Assim, é possível ocupar posições estratégicas dentro de empresas que atuem no setor de agronegócios.

Como gestor, você deve estar pronto para liderar e tomar grandes decisões. Vai trabalhar, por exemplo, planejando investimentos em novas alternativas de plantação ou negociando acordos de compra e venda de insumos. Esse é o caminho certo para quem gosta de estar à frente dos negócios.

Pesquisador

Que tal trabalhar em laboratórios, desenvolvendo formas de aperfeiçoar o desenvolvimento da pecuária e agricultura? Se essa ideia parece interessante, ser pesquisador pode ser uma alternativa viável para você.

Esse caminho profissional exige um perfil paciente e meticuloso. Afinal, grandes avanços não acontecem de uma hora para a outra. Além disso, é importante gostar de estudar, porque é preciso estar sempre atualizado sobre descobertas e inovações que podem influenciar suas pesquisas.

Também é gratificante saber que você vai encontrar respostas para as principais adversidades encontradas na pecuária e na agricultura. Já pensou em criar uma maneira de controlar pragas na lavoura e descobrir como manter os animais saudáveis em uma fazenda sem elevar os custos?

Como é o mercado de trabalho em Agronomia?

Uma boa notícia é que agrônomos não vão ter dificuldade em encontrar trabalho nos próximos anos. Afinal, o Brasil ainda é reconhecido por exportar produtos agropecuários de qualidade — e a produção rural é uma atividade muito tradicional no país.

O crescimento do PIB é um dado interessante que se relaciona com o setor. Entre 2017 e 2018, o setor agropecuário cresceu 1,4%. Para comparar, o campo da indústria e serviços cresceu somente 0,1%. Outro número interessante: em 2018, o Brasil exportou quase 84 milhões de toneladas de soja. Esses dados mostram a força da agropecuária no nosso país.

O Brasil tem um histórico tradicional nas atividades de pecuária e agricultura. No entanto, é possível identificar alguns fenômenos específicos que fizeram essas práticas ganharem ainda mais importância e tornarem-se o centro das atenções nos últimos anos.

Confira os principais motivos para essa mudança a seguir!

Mudanças climáticas

As mudanças climáticas ocorridas nas últimas décadas, causadas por fenômenos como a destruição da camada de ozônio e o aquecimento global, provocaram uma adaptação no comportamento de plantas e animais.

Isso significa que as práticas antigas de criação e cultivo não funcionam tão bem hoje em dia. Nesse cenário, é o agrônomo quem vai descobrir como reorganizar as técnicas às novas condições de umidade, temperatura, regime de chuvas e assim por diante. Sentiu a importância?

Crescimento da população

A população (do Brasil e do mundo) está em crescimento constante. Para atender às necessidades de todos, é importante desenvolver maneiras de produzir mais e melhor. Mas não pense que isso deve ocorrer apenas na alimentação, ok?

A verdade é que diversos segmentos dependem do que é produzido nos criadouros de animais e nas lavouras. Remédios e vestuários, por exemplo, são ramos industriais que dependem diretamente da agropecuária — e do trabalho dos engenheiros agrônomos, é claro.

Diminuição dos espaços

Com a maior preservação das áreas de vegetação nativa e com a expansão das cidades, as regiões disponíveis para criar animais e cultivar alimentos estão cada vez mais restritas.

Por isso, é fundamental encontrar maneiras de otimizar a produção, ou seja, fazer mais com menos espaço. O agrônomo tem a missão de desenvolver novas técnicas e, para isso, ele deve planejar, testar e implementar as alternativas.

Mudanças de hábitos da sociedade

Há alguns anos, não era comum as pessoas se preocuparem tanto com a qualidade dos alimentos que eram consumidos. Agora, as novas tendências estimulam hábitos a exemplo de comer frutas orgânicas, usar sabonetes naturais e comprar produtos que não sejam testados em animais.

Tudo isso interfere no setor agropecuário, tanto nos processos que ele utiliza para produção quanto na forma como está organizado. Como engenheiro agrônomo, você vai precisar acompanhar esse caminho e alinhar seu trabalho.

O mercado para quem faz o curso de Agronomia está em expansão, principalmente porque existe uma grande necessidade de incrementar a produção de alimentos. Isso resulta em inovações tecnológicas que exigem profissionais capacitados para a pesquisa em máquinas rurais, biotecnologia, defensivos e extensão rural. Tudo isso sem perder a preservação ambiental de vista!

Gostou de saber mais sobre a graduação e descobriu que quer seguir essa carreira? Então, não deixe de entrar em contato conosco agora mesmo e faça seu curso em uma instituição reconhecida!

COMPARTILHE:
POSTS RELACIONADOS

    Nova call to action

    Um cabeçalho claro e arrojado

    Teste de Orientação Profissional - Foca na Carreira

    Guia-do-profissional-de-agronomia

    [E-BOOK] Como escolher uma profissão? DOWNLOAD GRÁTIS

    Nova call to action