<img height="1" width="1" style="display:none" src="https://www.facebook.com/tr?id=344581662787026&amp;ev=PageView&amp;noscript=1">
logo_unicesumar_horizontal_original
INSCREVA-SE NO VESTIBULAR

•   Início Fonoaudiologia / mercado de trabalho fonoaudiologia



Já estamos cansados de saber que a área da saúde reúne uma série de carreiras que contribuem não só para a promoção do bem-estar, mas para a qualidade de vida das pessoas. No entanto, você sabe qual é o foco de cada uma delas? Tendo isso em mente, preparamos este post para falar em detalhes sobre o mercado de trabalho da Fonoaudiologia.

Afinal, esse segmento nem sempre é tão explorado pelos vestibulandos, até mesmo pela falta de referências seguras e atuais que os ajudem a se decidir quanto ao próprio futuro. Portanto, chegou o momento de se aprofundar no assunto e tirar todas suas dúvidas sobre o que faz um fonoaudiólogo. Vamos começar?

Como é a graduação em Fonoaudiologia?

O curso de Fonoaudiologia dura cerca de quatro anos. Nesse período, você tem disciplinas que explicam e discutem como se dá o processo da comunicação humana, as alterações sonoras na fala, as patologias e os distúrbios que afetam a voz e a audição, além das estruturas neurológicas e fisiológicas que permitem a escuta, a compreensão e a produção do som.

Além disso, há outro importante conceito sobre a faculdade de Fonoaudiologia: ela é marcada pela participação dos estudantes em múltiplos estágios — geralmente, cerca de nove, distribuídos entre o sétimo e o oitavo semestre.

A razão disso é simples: a prática é indispensável não só para o desenvolvimento de competências profissionais, mas para a sua adaptação pessoal para trabalhar em equipes multidisciplinares, com médicos, psicólogos, nutricionistas, entre outros.

Isso sem falar que ela é útil para que você conheça os ambientes de trabalho e se capacite para o atendimento de pacientes com distintos históricos médicos, realidades sociais, faixas etárias e assim por diante.

Como é o mercado de trabalho da Fonoaudiologia?

Engana-se quem acha que há apenas a área da saúde com clínicas, consultórios e hospitais para trabalhar ao iniciar a carreira em Fonoaudiologia. Embora seja inegável que ela está no topo da preferência de muitos recém-formados, esse não é o único caminho existente.

Para se ter ideia, muitos fonoaudiólogos são contratados por creches, colégios, escolas de idiomas e centros educacionais/culturais para dar suporte a crianças e adolescentes no desenvolvimento da fala e no aprendizado de idiomas.

Há também aqueles que prestam serviços para empresas de setores audiovisuais, políticos e de comunicação. Nesses locais, eles realizam sessões com diferentes pessoas, trabalhando a potência, a emissão e o controle da voz nas apresentações, encenações e discursos que serão divulgados na mídia e/ou repassados à população em canais governamentais.

E para fechar com chave de ouro, ainda podemos citar as pessoas que decidem ser professores, lecionando em centros universitários, comandando projetos científicos e guiando a formação de futuros profissionais do ramo. Em outras palavras, o mercado de trabalho para o fonoaudiólogo é bastante movimentado!

Qual é a quantidade de profissionais no mercado?

Você pode estar se perguntando agora: “como anda o mercado de trabalho da Fonoaudiologia? Há demanda por novos fonoaudiólogos ou o setor já está saturado?”. Afinal, aquela velha fórmula da procura e da oferta que aprendemos ainda na escola também se aplica aqui.

Se há profissionais em excesso, os empregos tendem a serem mais disputados e escassos. Agora, se há um número abaixo do esperado, acontece o efeito inverso: há uma maior oferta de oportunidades de trabalho e uma menor concorrência por elas.

De acordo com o Conselho Federal de Fonoaudiologia (CFFa), atualmente, há apenas 46.087 profissionais registrados no órgão em todo o país. No entanto, como já sabemos, o Brasil tem mais de 212 milhões de pessoas, conforme estimativas divulgadas pelo IBGE.

Nesse contexto, faltam fonoaudiólogos para dar conta de tantos possíveis pacientes. Ainda mais se considerarmos que apenas oito estados ultrapassam mil representantes da categoria. São eles:

  • São Paulo (12.990);
  • Rio de Janeiro (6.024);
  • Minas Gerais (4.560);
  • Paraná (2.641);
  • Rio Grande do sul (2.578);
  • Santa Catarina (1.656);
  • Goiás (1.414);
  • Ceará (1.377).

Qual é a média salarial para um profissional formado em Fonoaudiologia?

A estimativa apresentada pelo site Salário é bem direta: no Brasil, a remuneração média de um fonoaudiólogo contratado com carteira assinada é de R$ 3.023,07. Já aqueles no topo da carreira têm um rendimento mais elevado, ganhando cerca de R$ 6.408,01 mensais.

Contudo, muitos profissionais da saúde não atuam dessa forma. Ao contrário, eles optam por realizar atendimento clínico em consultórios e hospitais, seja por convênio, seja de forma particular.

Essa preferência acaba alterando muito a remuneração que recebem de um mês para o outro. Basta ter em mente que vários fatores afetam os ganhos nesses locais de trabalho, como:

  • quantidade de novos pacientes atendidos por dia;
  • número de pacientes que retornam para consultas e terapias posteriores;
  • realização de avaliações e exames fonoaudiológicos;
  • valor pago por sessão em cada plano de saúde;
  • preço cobrado por sessão particular;
  • duração da jornada de trabalho ao longo da semana, que pode ser de seis, sete ou oito horas diárias.

Quais são as principais possibilidades de especialização na área da Fonoaudiologia?

Ao todo, há mais de 10 áreas de atuação para fonoaudiólogos nas quais você consegue se tornar um especialista, acompanhando de perto pacientes com casos mais complexos e/ou tendo a capacidade técnica para estar presente em ambientes que exigem intervenções e avaliações específicas. Abaixo, veja algumas delas:

  • Fonoaudiologia do Trabalho — focada em ações preventivas e de tratamento para profissionais que, por conta do trabalho que realizam, acabam desenvolvendo disfunções na voz e na audição;
  • Fonoaudiologia Educacional — voltada para o planejamento de medidas escolares que melhorem a integração de estudantes com dificuldades na fala e auxiliam eles no processo de aprendizagem das disciplinas;
  • Fonoaudiologia Neurofuncional — centrada em pacientes que desenvolveram ou já nasceram com alterações neurológicas que comprometem parcial ou totalmente a capacidade de comunicação oral.

Como você leu, o mercado de trabalho da Fonoaudiologia é bastante promissor, pois a demanda por profissionais é grande e há oportunidades de atuação em vários setores. Portanto, para escolher sua futura carreira, leve em conta essas informações e reflita sobre a importância das atividades que o fonoaudiólogo realiza na rotina — que são capazes não só de ajudar, mas, principalmente, de transformar a vida das pessoas.

Curtiu o post? Então, assine nossa newsletter para não perder nenhuma novidade no ramo da Fonoaudiologia e as nossas dicas exclusivas para começar sua carreira!

COMPARTILHE:
POSTS RELACIONADOS
    New call-to-action
    New call-to-action
    planejamento financeiro

    Nova call to action

    Nova call to action

    Nova call to action

    Nova call to action

    Teste de Orientação Profissional - Foca na Carreira

    Guia-do-profissional-de-agronomia

    [E-BOOK] Como escolher uma profissão? DOWNLOAD GRÁTIS

    Nova call to action