<img height="1" width="1" style="display:none" src="https://www.facebook.com/tr?id=344581662787026&amp;ev=PageView&amp;noscript=1">
logo-topo-blog-1
INSCREVA-SE NO VESTIBULAR

•   Início Motivação



Todo mundo tem um professor inesquecível, aquele que se expressa com tanta facilidade que dá vontade de gravar a aula, não é mesmo? Se todo mundo que desse aula fosse como ele, ninguém nunca sentiria sono ou tédio durante alguma explicação mais difícil. A diferença desse educador específico para todos os outros é o fato de ele dominar a oratória, que nada mais é do que a arte de falar bem em público.

Expressar-se de forma a prender a atenção de todos não tem apenas a ver com dominar o conteúdo. Se fosse assim, toda pessoa inteligente em seu campo de estudo dominaria a oratória, concorda? Mas falar bem está relacionado a dizer suas frases de uma forma estruturada, com as pausas certas, provocando até um suspense ou euforia conforme o conteúdo vai sendo apresentado. Tem a ver com carisma e simpatia também.

Políticos que desejam ir bem nas eleições precisam — e muito! — da oratória. Com essa prática, eles conseguem fazer com que seus eleitores não apenas acreditem no que falam como fiquem sensibilizados. Advogados, jornalistas, profissionais de marketing… Todos podem se beneficiar com essa arte.

Quando você vai apresentar um trabalho ou tem uma entrevista de emprego, começa a suar frio só de pensar em falar para desconhecidos? Sente uma pontada de inveja daquele colega que fala tão bem que, certamente, vai conquistar tudo o que quiser com essa característica? Trazemos uma ótima notícia: a oratória não é um dom que nasce ou não com você. É totalmente possível desenvolver boas habilidades de falar em público e você vai entender tudo a respeito desse assunto com este texto! Não perca!

De onde veio a oratória?

Os registros mais antigos que relatam a oratória vêm do século 5 a.C., precisamente do Egito Antigo. Mas foi na Grécia que essa habilidade ganhou mais popularidade. Até então, naquele tempo, cada um deveria falar por si mesmo, ou seja, não havia nenhum tipo de representação. Assim, qualquer um que quisesse se sobressair na vida política, em um tribunal ou socialmente, deveria dominar a oratória.

É nesse ponto que entram os filósofos sofistas, que atuavam como professores itinerantes, ensinando a arte de falar bem em público. Eram considerados mestres da oratória e da retórica — para eles, a verdade poderia ser relativa, mutável e com diversas versões. Há registros de que eram pagos para tornar forte o argumento mais fraco.

Sofistas, até então, eram considerados sábios. Mas foi com os filósofos Aristóteles e Platão que a sofística ganhou a definição de “sabedoria aparente, porém não real”. Para Aristóteles, eles eram bons em argumentar qualquer tema, mesmo que os argumentos que tivessem na manga não fossem exatamente reais.

Foi assim que Aristóteles, Platão e também Isócrates trabalharam em teorias sobre a oratória que eram opostas ao sofistas. Essas ideias acabaram sendo estudadas em escolas da Grécia Antiga e se baseavam na lógica, na dialética e na retórica.

Quem fez bom uso desses ensinamentos foi Roma. Enquanto o Império Romano crescia, oradores se basearam no legado grego e deram uma temperada extra, acrescentando o estudo da gramática e a preparação de discursos políticos. Cícero, advogado, político e filósofo romano, foi extremamente importante para esse estudo — sua contribuição à literatura é inegável. Deve-se a esse período o fato de acrescentar a questão do humor no sentido de criar empatia e cativar o interlocutor.

Toda essa história sobre a oratória mostra a importância dela para o mundo e, que, sim, podemos aprender e desenvolver essa habilidade. Até porque ela facilita demais o nosso dia a dia, incluindo questões relacionadas a trabalho e vida pessoal. Que ver só?

Por que entender as técnicas de oratória é tão importante?

Imagine que você é um dos candidatos a uma vaga de emprego e tem um bom currículo — que, inclusive, é parecido com o de uma pessoa que concorre diretamente com você. Na hora da entrevista, você é tomado por um branco e se atropela demais com as palavras.

Em compensação, aquele seu concorrente fala bem e convence o pessoal de Recursos Humanos da empresa de que ele é a melhor opção. Cenário triste, não é mesmo? Mas fique de olho porque pode acontecer.

Mas não é só para isso que a oratória serve. Confira outras vantagens!

Inspirar confiança

Hoje, o acesso à informação é, de fato, bem mais fácil. Mas vale a pena dizer que isso não é o mesmo que conhecimento. Tenha em mente que falar um dado é diferente de demonstrar que você conhece os motivos por trás desse número.

Falar com calma, mostrar tudo o que sabe e sua experiência pode ajudar a abrir muitas portas e fazer as amizades mais variadas. É muito recompensador quando alguém pede sua opinião e demonstra confiança em você.

A oratória ajuda nisso, pois dá toda a calma de que você precisa para falar o que vem à sua mente. Quando fazemos o estilo “pronto, falei”, acabamos não transmitindo confiabilidade e até atrapalhando as informações (que é o clássico “ops, falei o que não deveria”). 

Mas lembre-se de que repertório e conhecimento são construídos ao longo da vida. Assim, todo dia é um bom momento de se aprender algo novo. Então, #Partiu criar uma rotina de estudos para isso! Mas, antes, veja como melhorar seu repertório:

  • leia as reportagens de jornais ou portais de notícia e não somente os títulos;
  • coloque metas de um, dois ou mais livros lidos ao mês;
  • assista a programas informativos;
  • ouça pessoas experientes falando.

Ter poder de persuasão

Quantas vezes você não assistiu a um youtuber falando de alguma rotina ou mesmo de algum produto que ele estava resenhando e pensou “nossa, preciso disso!”? Essa fato tem 100% a ver com o poder de persuasão.

Quando um interlocutor domina a oratória e conhece o assunto do qual está falando, as chances de influenciar alguém são grandes. Veja bem que é totalmente diferente da manipulação, que visa a convencer alguém por meio de manobras ocultas. Não é à toa que a publicidade tem apostado tanto nos chamados influencers digitais e, muitas vezes, os deixam livres para retratar um produto, sem um roteiro definido.

Ao persuadir, você trata um tema com tanto interesse que fica complicado aos outros dizer não. Já deve ter acontecido quando você elogiou demais alguma série ou filme que seu amigo ficou morrendo de vontade de ver também.

Tenha em mente que, ao dominar melhor a oratória, fica mais fácil convencer:

  • os colegas de trabalho a apostarem em suas ideias;
  • seus amigos a aceitarem sua opção de passeio para o sábado;
  • seus pais a liberarem você de um compromisso não tão legal em família;
  • o pessoal da faculdade a fazer trabalho em grupo com você.

Isso só mesmo para dar uma ideia de que tudo o que possível. Vai ser mais fácil até pedir um aumento ao chefe quando você expõe seus motivos com clareza. #FicaADica

Melhorar seu desempenho

Você certamente tem algum objetivo de vida: ser um líder reconhecido, gerenciar uma empresa, ter um negócio bem-sucedido — ou, saindo do campo profissional, conquistar um grande amor, ter amigos fiéis e, claro, ser bem-quisto por aqueles que estão ao seu redor.

Ao falar com clareza, educação e empatia, tudo isso se torna mais simples. Supondo que você já tenha concluído uma graduação para empreendedores e conte com uma uma equipe de liderados: ao transmitir as metas de todos de uma forma clara, fica fácil, inclusive, para falar de algo que não vai tão bem quanto deveria.

No campo pessoal, os relacionamentos são mais verdadeiros e duradouros quando você expõe o que sente e entende que sua atitude pode influenciar demais. Só vantagens!

Expandir seus contatos

Quando você fala bem e é claro em tudo o que diz, acaba ganhando simpatia de muita gente e aumentando seu círculo social ou até de trabalho — no caso seu networking. Pessoas que mandam bem na oratória são aquelas que têm vários amigos por onde quer que passem.

Alguém que sabe se comunicar nunca se isola do restante da galera em uma festa (rezando para o evento acabar logo) e tem muitos contatos profissionais. Isso ajuda a conquistar um emprego que remunere melhor, uma nova colocação quando se é desligado ou mesmo dando suporte ao seu mapeamento de carreira.

Então, como dominar a oratória?

Para começar, é interessante entender que estamos falando de um processo. Ou seja, não acontece do dia para a noite. Por isso, é importante comemorar as pequenas vitórias (por exemplo, falar sem ficar vermelho) e ir sentindo seu progresso. Agora, vamos às dicas!

1. Reflita sobre sua timidez

Pessoas tímidas acreditam que, quando falam ou fazem algo, todo mundo fica reparando e esperando o momento em que vão fazer algo errado ou falar uma besteira.

Mas quer saber um segredo? As pessoas têm mais o que fazer e quase nunca estão nos esperando cometer um equívoco. Tanto que, às vezes, quando você faz algo errado, muitos nem percebem isso.

Então, lembre-se de que o mundo não está girando ao seu redor e trabalhe com esse receio. Comece falando "oi" para alguém com quem não tenha tanta intimidade, fazendo uma pergunta em sala de aula e se joga! Não esqueça: melhorar sua oratória é um processo!

2. Controle seu temperamento

Sabe aquele dia em que tudo deu errado? Sua nota não foi das melhores, você teve um problema no estágio e ainda voltou para a casa em um ônibus lotado? Esse #BadDay já aconteceu até com a pessoa mais sortuda do mundo! Mas um fato: ninguém tem culpa sobre isso, o grande responsável é você mesmo, na maior parte do tempo.

Suas emoções estão mais à flor da pele, coloque isso na cabeça. Então, talvez esse não seja o melhor momento de pedir dinheiro emprestado ao seu pai. Antes de falar com ele, esvazie a cabeça e concentre-se em seus argumentos. Nada de deixar a bad vibe do dia atrapalhar. Se a energia ruim persistir, deixe para fazer o pedido no dia seguinte.

3. Conheça seu público

Falar para adolescentes é diferente de querer conquistar a atenção de senhoras de 80 anos com seu discurso, concorda? Se você quer influenciar pessoas que amam K-Pop, precisa entender um pouco do gênero musical.

Se quer influenciar intercambistas dos Estados Unidos aqui no Brasil, deve aprender inglês (pelo menos algumas palavras). E, se quiser entreter senhoras mais velhas, também precisa pensar em suas falas.

Aqui, o segredo é buscar informações sobre o público para quem vai falar e dizer tudo na língua deles. Políticos fazem isso: para pessoas mais populares, eles usam uma linguagem mais fácil e fluida. Para atingir estudiosos, os termos se tornam mais complexos e rebuscados, por exemplo. Da mesma forma, uma conversa entre profissionais da Medicina é diferente de uma entre paciente e médico.

4. Adquira conhecimento

Não importa exatamente sobre o que você vai falar, se é sobre o mercado de trabalho em Maringá ou no Brasil como um todo. O fato é que você deve ter muito conteúdo para preencher suas falas com muita informação.

Quando você tem conhecimento de sobra, automaticamente sua fala se torna mais atrativa e, aí, basta organizar o discurso do melhor jeito para atrair as pessoas ao redor. A questão de ter mais repertório é um hábito para a vida toda, não só para períodos de entrevista de emprego, viu?

5. Pense no que quer dizer

Supondo que você tenha uma apresentação de trabalho na faculdade. Por mais que você tenha participado ativamente da execução dele, os detalhes que você deve falar na apresentação não vão brotar na sua cabeça.

Então, organize as ideias por tópicos para facilitar e guiar você na hora. Só não vale fazer decoreba, porque isso tira toda e qualquer naturalidade da oratória, fazendo com que as pessoas não sejam fisgadas por sua fala, combinado?

6. Fale sozinho

Bateu um desespero antes de uma entrevista de emprego? Que tal falar sozinho no seu quarto as respostas para possíveis perguntas? Não, seus pais não vão achar que você enlouqueceu. Quando você se ouve, fica bem nítido em quais partes pode se aperfeiçoar e no que está mandando bem.

Vá repetindo até sentir certa satisfação com as respostas. Essa atitude também ajuda demais a baixar o nervosismo do momento e no autoconhecimento — tem coisas sobre nós que só descobrimos quando paramos para nos ouvir!

Vale também falar para o espelho, até para sentir suas expressões e treinar a questão do olho no olho — essa prática faz toda diferença em uma conversa.

7. Faça aula de teatro

A ideia aqui é mais como uma dica, não como obrigação — mesmo porque não é todo mundo que tem acesso ou tempo disponível. Mas o teatro pode ser de grande ajuda àqueles que são extremamente tímidos e com dificuldade de dirigir a palavra a qualquer pessoa.

Aulas de teatro contribuem para você se expressar melhor, dão mais autoconhecimento e fazem com que você se relacione com as pessoas de forma mais simples, sem querer se esconder do mundo.

8. Aprenda com quem admira

Sempre tem alguém que você adoraria ficar ouvindo um tempão ou dando repeat em algumas histórias. Que tal aprender com essas pessoas? Repare na forma como conversam, como expõem os fatos e a entonação, que vai mudando de acordo com o momento.

É interessante pesquisar no YouTube também celebridades e youtubers que você curte ouvir para entender quais ensinamentos eles podem passar sobre a arte de falar bem.

9. Entenda sobre linguagem corporal

O nosso corpo está transmitindo alguma comunicação até mesmo quando você está de boa fechada. Sim, é fato! A linguagem corporal pode fazer alguém se afastar ou se aproximar de você. Por isso, atenção a alguns sinais:

  • braços cruzados: transmitem a ideia de que a pessoa está criando uma barreira para dificultar a comunicação;
  • olhos nos olhos: quando você evita o contato visual, é um sinal claro de que não está falando a verdade ou quer sair da conversa o mais rápido possível. Mas o excesso de contato visual pode ser interpretado como intimidação — ou seja, meio termo é tudo;
  • morder os lábios: sinal de medo ou ansiedade que você passa e nem nota;
  • coçar o nariz: indica que a pessoa está falando alguma mentira;
  • revirar os olhos: muitas vezes, nem percebemos que estamos fazendo isso, mas a demonstração é de impaciência ou mesmo estresse.

10. Conheça seu corpo

Às vezes, nem percebemos alguns dos nossos gestos, como mexer as mãos ou ficar trocando o peso do corpo de uma perna para a outra e mexendo no cabelo. Quando fazemos isso, a pessoa com que conversamos pode parar de prestar atenção ao conteúdo e ficar só reparando nisso.

O que fazer, então? Tente reparar mais em você em uma conversa séria ou no momento em que está apresentando um trabalho para entender o que pode melhorar. Perguntar aos amigos se você tem alguns trejeitos é outra alternativa

11. Evite vícios de linguagens

É comum repetir alguns termos quando se está contando uma história. Algumas pessoas abusam do “aí”, “daí”, "é", “tipo” e “tipo assim” — mas pode haver outras palavras ou gírias que variam de região para região.

O ideal é escutar o que você fala ao contar uma história e é possível fazer isso falando sozinho e gravando no celular. Depois de ouvir, note quais termos você mais repete e trabalhe os sinônimos. “Tipo assim” pode virar “por exemplo”. “Daí’ é muito bem substituído por “então” e assim vai. 

Um bom exercício é notar quais os vícios de linguagens dos outros para não repeti-los. Existem diversas formas de aprender, é só você se abrir um pouco!

12. Introduza o storytelling

Isso nada mais é do que a forma de contar uma história com narrativa. Assim, você transmite o seu conteúdo por meio de um enredo mais trabalhado, despertando a curiosidade alheia.

Por mais intrigante que seja um fato, você pode destruir o interesse dos outros se contar de uma forma sem chamar atenção ou consegue deixar as pessoas ainda mais interessadas se refletir na maneira como vai transmitir. Alguns recursos muito úteis na forma de contar sua história são:

  • ambientar a ação;
  • transmitir características dos personagens (envolvidos);
  • gerar suspense e conflito;
  • provocar aproximação.

13. Saber ouvir é fundamental

Em uma roda de amigos, todo mundo tem direito de falar. Em uma apresentação de trabalho, cada um tem seu tempo cronometrado. Em uma entrevista, você espera a pergunta ser concluída — nada de ir atropelando seu interlocutor. 

Nesse sentido, você deve fazer a gestão do tempo de suas falas. Para isso, saber ouvir é essencial. Quando alguém fala, espere terminar para fazer seu comentário.

14. Pratique com quem confia

Agora que você já sabe sobre buscar conhecimento, pensar nos tópicos a serem comentados, vícios de linguagem e tudo mais, repasse o que quer falar com um amigo. Precisa ser uma pessoa com intimidade suficiente para contar se algo não estiver bom.

Aquele amigo ou primo mais sincero, sabe? Só tenha cuidado com as pessoas que jamais fazem uma crítica — pode ser que elas não tenham coragem de expor uma opinião mais dura.

Quer alguns bons exemplos?

Depois de chegar até aqui, você já está a par de toda a teoria para mandar nem na oratória. Mas que tal alguns exemplos práticos? Selecionamos filmes que são nota 10 em discursos. Pegue a pipoca e coloque no play:

  • Perfume de Mulher: quando o personagem de Al Pacino, Frank, dá uma lição sobre moral e integridade;
  • Jobs: se a Apple tem grande domínio do mercado hoje, parte desse sucesso veio do poder de persuasão de seu co-fundador;
  • Sociedade dos Poetas Mortos: John Keating, personagem de Robin Williams, rouba a cena;
  • O Discurso do Rei: o personagem Colin Firth tem muito a ensinar com suas dificuldades e consequente superação;
  • Patch Adams — O Amor É Contagioso: Patch, também interpretado por Robin Williams, se defende em um julgamento e, spoiler, você vai se emocionar!

Dominar a oratória não acontece de um dia para o outro. Estamos falando de um processo que é totalmente possível de ser aprendido. Hoje mesmo é um ótimo momento para ir colocando alguns desses passos em prática. O que queremos desmistificar também é que não existe dom — você pode até ter mais facilidade, mas qualquer um dá conta de aprender as técnicas e ficar bom na arte de falar!

Por isso, nada de sair dizendo que você não serve para falar em público. Se sua timidez for extremamente exagerada, vale até fazer buscar ajuda profissional para entender como lidar. O fato é que contar com uma boa oratória ajuda demais no seu dia a dia, seja no círculo social ou profissional, e pode ser o detalhe que faltava para conquistar tudo aquilo com que anda sonhando.

E então, este conteúdo fez você prestar mais atenção na sua forma de falar? Esperamos que sim! Para continuar lendo outros materiais e exercitar seu autoconhecimento, assine agora mesmo nossa newsletter!

COMPARTILHE:
POSTS RELACIONADOS

    Nova call to action

    Um cabeçalho claro e arrojado

    Teste de Orientação Profissional - Foca na Carreira

    Guia-do-profissional-de-agronomia

    [E-BOOK] Como escolher uma profissão? DOWNLOAD GRÁTIS

    Nova call to action