<img height="1" width="1" style="display:none" src="https://www.facebook.com/tr?id=344581662787026&amp;ev=PageView&amp;noscript=1">
logo_unicesumar_horizontal_original
INSCREVA-SE NO VESTIBULAR

•   Início Engenharias / Engenharia Civil / Engenharia de Software



A Engenharia é uma das profissões mais antigas da humanidade e, ainda hoje, continua sendo uma das mais relevantes. Soluções criativas e práticas para problemas ou necessidades da sociedade são a paixão de um engenheiro. Esse profissional, além de ter uma atuação tão relevante no mundo, pode escolher entre dezenas de tipos de Engenharia.
Sim, a versatilidade da profissão é grande. Meio ambiente, automação industrial, processos químicos, dispositivos computadorizados: para todas essas áreas e muitas outras, há uma Engenharia específica. Afinal, conforme as sociedades evoluem, novos problemas e necessidades vão surgindo. Para todas essas demandas, novos profissionais são necessários.
Por isso, se você se interessa pela área, pode optar pela carreira mais alinhada com os seus gostos ou escolher alguma das engenharias em alta.
Quer conhecer de perto algumas das opções para fazer a sua decisão? Então, está no lugar certo! Acompanhe e conheça 8 tipos de Engenharia, desde as mais tradicionais às inovadoras!
O perfil do engenheiro
Se você quer ter uma boa colocação no mercado de trabalho, ter um salário confortável e prestígio na sociedade, saiba que a Engenharia proporciona tudo isso! Para tanto, você não precisa ser um gênio em Matemática, como algumas pessoas podem pensar.
Os cursos nessa área têm, sim, uma boa carga de matérias de exatas, mas uma boa faculdade faz toda a diferença na hora de adquirir esses conhecimentos. Agora, as características-chave para um futuro engenheiro são: dedicação, gosto por inovações e inteligência interpessoal. A gente explica!
Dedicação
Para começar, encarar 5 anos de uma graduação puxada não é para os fracos. Você precisa ser dedicado aos estudos. Até porque muitas matérias dos cursos de Engenharia são contínuas. O tão falado — e, às vezes, temido — Cálculo, por exemplo, acompanha os estudantes por três semestres.
Então, se você não conseguir aprovação em Cálculo I, atrasará também os módulos II e III. Mas não se preocupe: mantendo os estudos em dia, é sucesso! Na rotina do profissional, essa dedicação também precisa estar presente.
Afinal, como a Engenharia é voltada para a qualidade de vida da sociedade, novas demandas surgem em ritmo rápido. O bom profissional dessa área está sempre em busca de uma formação continuada para dar conta de acompanhar as mudanças, ou seja, a dedicação aos estudos permanece mesmo com o diploma em mãos.
Gosto por inovações
Falando em acompanhar mudanças, o perfil desse profissional envolve gosto por inovações. Sabe aquela velha história de "pensar fora da caixa"? É isso os que os engenheiros têm feito ao longo da história da humanidade. Sempre que surge uma necessidade nova, a Engenharia vem com tudo propor soluções.
Então, se você sente aquela pontinha de excitação sempre que vê uma notícia sobre tendências tecnológicas, descobertas energéticas ou construções civis inovadoras, por exemplo, já está no caminho certo. Em outras palavras, o engenheiro tem uma visão mais aberta e dinâmica.
Mas atenção: é importante lembrar que as novidades de hoje só existem por causa dos conhecimentos do passado. Por isso, conceitos clássicos e atemporais das Ciências Exatas estão na base da formação do engenheiro, mesmo nas mais "para frente", como a Mecatrônica. Legal, não é?
Inteligência interpessoal
A capacidade de ter empatia, relacionar-se bem com terceiros, saber ouvir e comunicar é um dos tipos de inteligência mais importantes no mercado de trabalho. Na Engenharia, ela faz toda a diferença. O engenheiro raramente vai trabalhar sozinho, para não dizer nunca.
Em geral, esse profissional faz parte de equipes multidisciplinares. Isso quer dizer que, mais do que trabalhar com pessoas, ele lida com personalidades muito diferentes umas das outras. Nesse sentido, saber se relacionar bem pode ser aquele diferencial para alcançar sucesso profissional.
A inteligência interpessoal é uma das chamadas soft skills — capacidades comportamentais que vão além dos conhecimentos técnicos (as hard skills). Essa competência é uma das mais valorizadas nos profissionais da Engenharia, inclusive entre aqueles que buscam o primeiro emprego. E isso vale para todos os tipos de Engenharia!
Os 8 tipos de Engenharia que você pode gostar
Agora sim, confira nossa lista com 8 cursos que você pode gostar, entenda como é o mercado para Engenharia em cada caso e quais são as particularidades de cada curso!
1. Engenharia Ambiental e Sanitária
De acordo com o Mapa do Trabalho Industrial de 2019, elaborado pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI), a Engenharia Ambiental é uma das três carreiras mais promissoras, com taxa de crescimento de 19,4% até 2023. Um dos motivos é a relevância cada vez maior do desenvolvimento sustentável na sociedade.
Esse conceito está ligado ao de sustentabilidade, termo cunhado pela Organização das Nações Unidas (ONU), que significa suprir as necessidades presentes sem comprometer as gerações futuras, em especial no que se refere ao meio ambiente.
Como muitas atividades humanas têm impactos diretos ou indiretos no meio natural, o engenheiro ambiental e sanitário é o profissional responsável por equilibrar o desenvolvimento da sociedade com a preservação do meio ambiente. Então, entre as suas principais atividades estão:

  • o controle de poluição de indústrias;
  • a realização de licenciamentos ambientais para construções civis;
  • a criação de soluções para recuperação de áreas degradadas;
  • a implantação de projetos para melhorar sistemas de coleta e abastecimento de água;
  • o controle de saneamento básico;
  • o desenvolvimento de projetos de energia renovável;
  • o gerenciamento do descarte de resíduos sólidos etc.

Essas demandas existem tanto em empresas privadas quanto em órgãos públicos, como secretarias municipais e estaduais, e organizações não governamentais. Então, você já sabe: a empregabilidade é alta! Afinal, a preocupação ambiental faz parte de muitas esferas da vida humana hoje em dia.
2. Engenharia Civil
A Engenharia Civil está entre as queridinhas da área. Não é à toa: o setor da construção civil é historicamente promissor e, no Brasil, o cenário é bastante animador.
Para que você tenha uma ideia, o volume de recursos destinados para a construção de imóveis foi de 33,7 bilhões de reais no início de 2019, de acordo com o Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo (SBPE), em dados divulgados pela revista Exame. Isso representa uma alta de 33% sobre o mesmo período do ano anterior.
Muita coisa, não é? E olha que a construção imobiliária é apenas uma das possibilidades de atuação para o curso de Engenharia Civil. O profissional dessa área também pode criar projetos, coordenar obras e prestar consultorias em:

  • empreendimentos comerciais, residenciais ou industriais;
  • redes de distribuição de água;
  • obras ferroviárias, aeroportuárias e portuárias;
  • construções de viadutos, pontes, hidrovias e barragens;
  • instalações elétricas e hidráulicas.

Ou seja, o campo de trabalho do engenheiro civil é bem amplo e muito necessário. Além disso, com o estabelecimento definitivo das tendências sustentáveis, o terreno é fértil para atuação em construções inteligentes, com autossuficiência energética e sistemas de descarte ecológico de resíduos, por exemplo.
3. Engenharia de Controle e Automação
O curso de Engenharia de Controle e Automação é uma opção para quem quer uma carreira contemporânea e que vai ao encontro das inovações tecnológicas. Podemos dizer que essa área, também chamada de mecatrônica, é a responsável pelos robôs inteligentes que já estão ganhando as indústrias.
Esqueça o medo de um levante robótico que virá para subjugar a espécie humana. Muito pelo contrário! As máquinas inteligentes e autônomas estão aí para ajudar o progresso e, principalmente, para otimizar processos em indústrias, comércios, residências e até na vida pessoal. Alô, smartphone!
Em relação à atuação profissional, as possibilidades do engenheiro mecatrônico tendem a crescer cada vez mais. Olha só: segundo o último Transparency Market Research, um relatório global sobre a Indústria, a automação industrial deve crescer cerca de 6,6% ao ano até 2024.
Isso quer dizer que o engenheiro de controle e automação encontrará um cenário muito positivo nos próximos anos. Entre suas principais atividades estão:

  • desenvolver ferramentas computacionais;
  • projetar e implantar sistemas automatizados;
  • modelar e simular processos de produção automatizados;
  • criar sistemas inteligentes diversos;
  • fazer o controle estatístico e metrológico de produtos automatizados etc.

Em resumo, essa é a Engenharia especializada em automatização de máquinas e equipamentos mecânicos, além do controle e da manutenção de sistemas automatizados. Entre as particularidades da grade curricular nesse curso estão as aulas de robótica industrial e sistemas automatizados.
4. Engenharia Elétrica
A Elétrica está entre as melhores engenharias no que se refere ao mercado de trabalho. Como o próprio nome indica, essa é a área especializada em elétrica, eletromagnetismo e eletrônica. E, como quase tudo o que nos cerca hoje em dia é movido a eletricidade, já sabe né? A empregabilidade é alta!
Basta olhar à sua volta: lâmpadas, chuveiros elétricos, aparelho de TV, carregadores de celular. Enfim, boa parte do nosso conforto, da praticidade no dia a dia e — por que não dizer? — da nossa sobrevivência moderna se deve ao trabalho de engenheiros elétricos com o desenvolvimento de sistemas que geram, transmitem e distribuem energia elétrica.
No curso de Engenharia Elétrica, prepare-se para aprender tudo sobre circuitos elétricos, equipamentos eletrônicos e microeletrônicos, ondas e propagação de energia e muito mais. Não é à toa que o engenheiro elétrico pode atuar em muitos setores da sociedade, como:

  • elaboração de projetos de rede elétrica para a construção civil;
  • desenvolvimento de sistemas de alimentação elétrica em usinas e redes de distribuição energética;
  • criação de dispositivos microeletrônicos e eletrônicos;
  • desenvolvimento de hardwares com melhor eficiência energética etc.

Uma área muito saliente para engenheiros elétricos é a de telecomunicações, seja na criação e instalação de redes de telefonia, seja no desenvolvimento de projetos de cabeamento para centrais de transmissão e recepção de sinais de satélite. Já pensou trabalhar na Nasa?
5. Engenharia Mecânica
Agora, o curso de Engenharia Mecânica tem foco no desenvolvimento de máquinas e veículos mecânicos. Por isso, as áreas que mais abraçam esses profissionais são a automobilística e a aeronáutica. No desenvolvimento de máquinas industriais e equipamentos diversos, esses engenheiros também são necessários.
Afinal, são profissionais que sabem tudo sobre processos de fabricação mecânica, desde a escolha dos materiais até a termodinâmica de componentes e processos de soldagem e fundição. Para isso, os estudantes aprendem muito sobre a mecânica de sólidos, motores de combustão e usinagem, entre outras matérias.
As principais atuações para o engenheiro mecânico incluem:

  • projetar veículos diversos, além de criar testes de resistência e de segurança na indústria automobilística;
  • desenvolver, coordenar a fabricação e realizar a manutenção de máquinas industriais;
  • criar equipamentos mecânicos para as mais diversas áreas, como próteses para a Biomedicina;
  • atuar em projetos de automatização e de desenvolvimento robótico ao lado do engenheiro mecatrônico.

Além disso, o engenheiro mecânico também pode trabalhar com consultoria e assistência mecânica, ou até mesmo deixar o perfil empreendedor falar mais alto e investir em negócios voltados para a comercialização de máquinas ou aeronaves, por exemplo.
6. Engenharia de Produção
Lembra que falamos da inteligência interpessoal como uma das características mais importantes para engenheiros? Pois bem, na Engenharia de Produção, ela é ainda mais relevante. Afinal, esse é o mais "gerencial" entre todos os tipos de Engenharia: em vez de lidar diretamente com máquinas, circuitos e tudo mais, aqui o foco são as pessoas.
Essencialmente, o curso de Engenharia de Produção forma os profissionais que vão planejar, coordenar e monitorar equipes. Então, além de aprender bastante sobre processos industriais, esse engenheiro também precisa mandar muito bem em rotinas administrativas e de gestão. Veja o que dá para fazer:

  • pensar no desenvolvimento organizacional de empresas;
  • gerenciar a aplicação de recursos financeiros na área da Indústria;
  • implantar processos de produção e acompanhar a execução do trabalho;
  • administrar equipes de produção, avaliando produtividade e qualidade;
  • coordenar operações logísticas, de seleção de matéria-prima etc.

Como a Engenharia de Produção tem uma vocação para gestão muito forte, o profissional é bem-vindo em muitos setores de mercado, e não apenas na Indústria. Varejo, empresas de telecomunicações e até instituições bancárias têm espaço para essa profissão, associada à implantação de mudanças e melhorias em processos com foco na eficiência produtiva.
Com isso, a grade curricular da graduação traz muitas disciplinas das Ciências Sociais Aplicadas, como Administração, Economia, Matemática Financeira e Recursos Humanos. Enfim, essa é um dos tipos de Engenharia mais interessantes para quem quer uma carreira multidisciplinar e com excelente colocação no mercado.
7. Engenharia Química
O curso de Engenharia Química já é mais voltado para quem curte uma rotina de trabalho menos dinâmica: horas e mais horas em laboratórios, muitos relatórios, números, pesquisas e experimentos mirabolantes. Se você sempre se interessou por sobre como a natureza funciona e pode ser modificada para atender às necessidades humanas, esse curso é para você!
Como o próprio nome indica, essa área da Engenharia se volta para os estudos químicos mas, de forma diferente ao bacharelado em Química, aqui o foco é usar as transformações físico-químicas para encontrar soluções aplicáveis a alguma demanda da sociedade. Por exemplo:

  • desenvolvimento de produtos químicos para a Indústria;
  • aplicação de testes para controle de qualidades nos setores farmacêutico e alimentício;
  • gestão de tratamento de água;
  • elaboração de processos para descarte correto de resíduos químicos;
  • pesquisa sobre técnicas de extração de matéria-prima mais eficientes para conservação de substâncias;
  • coordenação de sistemas de transformação de produtos químicos etc.

Um dos setores mais fortes para contratação de engenheiros químicos é a indústria petroquímica. Essa profissão está sempre envolvida no desenvolvimento de técnicas de extração e de obtenção de derivados do petróleo, incluindo combustíveis.
Falando nisso, um setor com tendência de crescimento para esse profissional é o de produção de biocombustíveis, que são resultado de transformações químicas em sementes e frutas, entre outras matérias-primas sustentáveis. E atenção: o Brasil tem um programa de incentivo aos biocombustíveis recém-aprovado, o RenovaBio — ou seja, oportunidades de trabalho pela frente!
8. Engenharia de Software
Para finalizar essa lista, o curso de Engenharia de Software é um dos maiores exemplos de como a Engenharia está sempre se reinventando para acompanhar as mudanças da sociedade. Na era digital, nada mais justo do que surgir um profissional expert em projetar, desenvolver e controlar sistemas de software.
Se você não sabe, a gente explica: software é a parte intangível de computadores e afins — programas, sistemas operacionais, aplicativos e jogos, por exemplo. Essa é a profissão irmã da Engenharia de Computação ou das Ciências da Computação, que costumam ser focadas no hardware, ou seja, na parte tangível desses equipamentos. Na prática, esse profissional é responsável por:

  • desenvolver projetos de softwares, programas e aplicativos;
  • gerenciar a implantação de softwares em empresas e indústrias;
  • realizar testes e manutenções em sistemas de software;
  • arquitetar o design de programas e aplicativos etc.

Como hoje tudo é digital e a tendência é de que seja cada vez mais, não precisamos nem dizer que essa profissão é altamente promissora, não é? Para que você tenha uma ideia, a Associação Brasileira das Empresas de Software (ABES) registrou um crescimento de 9,8% na área de 2017 para 2018, em seu Estudo do Mercado Brasileiro de Software 2019.
Ainda de acordo com esse levantamento, o Brasil é o 9º maior investidor, desenvolvedor e fabricante de softwares do mundo, registrando impressionantes US$ 47 bilhões movimentados na área somente em 2018. Um cenário bastante animador para os estudantes da área, concorda?
A escolha da faculdade de Engenharia
Como se não bastasse ter que escolher um entre tantos tipos de Engenharia interessantes, o futuro universitário ainda tem uma dúvida cruel: como optar pela melhor faculdade? Bom, pelo menos nessa última questão a gente pode ajudar: vai de UniCesumar!
Abaixo, veja por que essa é a melhor decisão para garantir uma formação de qualidade, em uma instituição valorizada pelo MEC e com ótimos recursos para o seu aprendizado!
Nota máxima do MEC
O primeiro passo para escolher uma faculdade é verificar se ela é reconhecida pelo Ministério da Educação (MEC). Isso é fácil: basta verificar se ela consta no portal e-MEC. Além disso, o MEC também fiscaliza periodicamente a qualidade dessas instituições.
Para isso, existem quatro conceitos de avaliação, cujas notas vão de 1 a 5 — os resultados acima de 3 são considerados bons. Todos também podem ser visualizados na aba de "Pesquisa Avançada" do portal. São eles:

  • Conceito Preliminar de Curso (CPC) — que representa a média dos resultados do Exame Nacional de Desempenho de Estudantes (Enade) em cada curso;
  • Índice Geral de Cursos (IGC) — que parte das avaliações da Coordenação de Aperfeiçoamento de Nível Superior (Capes) sobre a instituição de ensino, em vários aspectos;
  • Conceito de Curso (CC) — que diz respeito à avaliação dos técnicos do MEC sobre a qualidade de cada curso ofertado;
  • Conceito Institucional (CI) — que se refere às instalações físicas da faculdade, também fiscalizada pelos técnicos do MEC.

Agora, olha só: a Uni é nota máxima na avaliação do MEC! Na última avaliação, a gente ficou com IGC 4 e CI 5. Esses números não são para qualquer um, não. Somente 4% das faculdades do país têm pontuações tão altas. Ou seja, você pode ter a certeza de que estará em boas mãos na sua graduação!
Infraestrutura de ponta
Além de olhar para a relevância da faculdade no país — o que faz toda a diferença no seu currículo profissional —, a infraestrutura também conta muito. Aqui na Uni, os estudantes têm acesso a:

  • salas de aula completamente equipadas;
  • laboratórios práticos;
  • bibliotecas;
  • livrarias;
  • auditórios e muito mais.

Muitas condições de ingresso e permanência
Por fim, mais do que acertar na escolha da sua faculdade, você precisa garantir seu ingresso e permanência nos estudos, não é? Com a Uni, fica fácil. Afinal, temos muitas opções. Para entrar, você pode prestar o vestibular tradicional ou ingressar usando a sua nota do Enem.
Sem contar que temos facilidades para o pagamento das mensalidades do curso, como o Parcelamento Inteligente (PAI), programas de financiamento estudantil e várias bolsas institucionais — basta consultar o campus ou o polo mais próximo para conferir quais regulamentos estão ativos.
Diante desta leitura, deu para ver que independentemente de qual dos tipos de Engenharia é mais a sua cara, uma coisa é certa: essa área tem um mercado muito versátil e promissor. Por isso, escolha qual curso você vai fazer aqui na Uni e entre de cabeça nos estudos!
Aproveite e baixe também nosso Guia de Sobrevivência Universitário e confira tudo o que você precisa saber antes de entrar na faculdade!

 

COMPARTILHE:
POSTS RELACIONADOS

    Nova call to action

    Nova call to action

    Nova call to action

    Nova call to action

    Nova call to action

    Teste de Orientação Profissional - Foca na Carreira

    Guia-do-profissional-de-agronomia

    [E-BOOK] Como escolher uma profissão? DOWNLOAD GRÁTIS

    Nova call to action